BLOCKCHAIN E CONTRATAÇÃO PÚBLICA: UMA ABORDAGEM MUITO PRELIMINAR

Com a emergência e sucesso crescente das tecnologias blockchain – há muito emancipadas da simples associação às bitcoin –, surgem progressivas interrogações sobre a sua eventual aplicação à atividade administrativa: mais concretamente, como forma de tornar mais transparentes, seguras e “imediatas” as relações entre administrados e Administração Pública.

Com a emergência e sucesso crescente das tecnologias blockchain – há muito emancipadas da simples associação às bitcoin –, surgem progressivas interrogações sobre a sua eventual aplicação à atividade administrativa: mais concretamente, como forma de tornar mais transparentes, seguras e “imediatas” as relações entre administrados e Administração Pública. Uma interrogação que, aliás, se estende a todas as novidades tecnológicas e ferramentas informáticas que têm vindo a ser desenvolvidas nas últimas décadas: desde os smart contracts até à inteligência artificial, não há inovação que seja, em abstrato e a priori, insuscetível de ser aplicada à (ou pela) Administração Pública, o que impõe uma necessária discussão sobre as potencialidades e riscos da sua transposição para este campo.

Cingindo-nos, nesta sede, à blockchain, um domínio de atividade administrativa que já tem sido equacionado como especialmente apto a servir de “balão de ensaio” é, sem surpresas, o da contratação pública – que, pela sua importância económica e social, surge como uma candidata “natural”, dir-se-ia, à adoção de soluções desde género. Com efeito, estando em causa o dispêndio de dinheiros públicos, todas as medidas que possam aumentar a transparência procedimental e accountability administrativa são naturalmente bem-vindas. De resto, a crescente informatização e desmaterialização dos procedimentos pré-contratuais – hoje, por regra, tramitados em plataformas eletrónicas, numa opção decisivamente desbravada pelo Código dos Contratos Públicos português em 2008 e que as Diretivas europeias de 2014 viriam depois a acolher –, se é certo que teve na sua génese diversas outras preocupações ou objetivos, não deixou de visar, também, uma maior “abertura” na divulgação da informação procedimental a todos os participantes e interessados.

Neste contexto, com base em experiências-piloto ensaiadas na região espanhola de Aragão ou em países como a Colômbia, a Nigéria, a Índia ou a Bélgica, não faltam vozes a preconizar a adoção generalizada da blockchain nos procedimentos de contratação pública[1], substituindo as plataformas eletrónicas atualmente existentes[2] e evitando as divergências jurisprudenciais que se têm colocado relativamente a múltiplos aspetos do regime da assinatura eletrónica das propostas e dos documentos que as integram. Fundamentalmente, invoca-se que as caraterísticas tradicionalmente associadas a um sistema assente em blockchain[3]maxime, a validação descentralizada da informação inserida por cada participante na cadeia, bem como a respetiva rastreabilidade, permitindo que se saiba sempre, e em cada momento, quem fez o quê e quando – permitem supor que, aplicada à contratação pública, a blockchain introduziria maior transparência, maior segurança e menor complexidade na verificação da informação relevante, constituindo uma ferramenta importante, além do mais, para o combate à corrupção[4] e a práticas anti-concorrenciais pelos operadores económicos.[5]

Não obstante, outros autores há que adotam uma posição mais restritiva, considerando que, por um lado, neste momento, os campos em que a blockchain poderia trazer mais-valias ainda são relativamente circunscritos[6] (apontando-se como exemplos o registo de contratos e o repositório de informação para ESPD e e-Certis)[7] e salientando, por outro lado, a necessidade de uma análise mais aprofundada e de um desenvolvimento da tecnologia (e, porventura, do quadro legal) para responder a alguns dos problemas convocados pela aplicação da blockchain, em especial, no que respeita à necessidade de proteção dos dados pessoais – dando cumprimento às exigências do RGPD e da legislação nacional sobre a matéria – e de segredos comerciais e industriais (e de direitos de propriedade intelectual, em geral), bem como à identificação dos responsáveis pela integridade das informações existentes no sistema, o que coloca problemas de responsabilidade fiduciária e obriga à definição de um modelo adequado de governance.[8]

Além disso, mesmo depois de ultrapassados esses problemas, nem tudo são vantagens na blockchain: além do investimento inicial na implementação de um sistema assente nesta tecnologia e dos custos de formação e adaptação dos recursos humanos (para os habilitar a lidar com as novas ferramentas informáticas), importa não negligenciar inconvenientes como o elevado consumo de energia exigido pela blockchain e a potencial lentidão dos processos em caso de congestionamento da rede, não podendo ainda excluir-se liminarmente a possibilidade de um ataque que comprometa a fiabilidade da informação (ainda que se reconheça que o sucesso de um tal ataque se torna mais improvável pela necessidade de concertação entre mais de metade dos participantes).

Em suma, sem prejuízo de valer a pena continuar a acompanhar a evolução da blockchain, pelo menos nesta fase, parece ser ainda muito cedo para considerar que a sua adoção generalizada seria uma “panaceia” para as dificuldades sentidas no dia-a-dia da contratação pública. O que, em qualquer caso, não impede que o legislador possa eventualmente vir a criar uma disciplina regime experimental, limitada a alguns procedimentos/contratos/entidades, testando os resultados da sua aplicação em ambiente controlado, servindo-se desses dados empíricos para perceber quais os principais inconvenientes encontrados e desenhando depois uma solução normativa, que, se obtiver um veredicto satisfatório na ponderação custos/benefícios, poderá depois ser incorporada no regime geral.


[1] Cf., neste sentido mais otimista, Paulo Madeira, “Blockchain: um contributo para uma nova contratação pública eletrónica”, in Revista de Direito Administrativo, n.º 11, Maio/Setembro de 2021, páginas 109 a 117.

[2] Cujo funcionamento suscita alguns problemas e cujas entidades gestoras operaram durante anos sem adequada regulamentação legal, conforme foi oportunamente sublinhado pela doutrina.

[3] Com isto, não se ignora que há vários modelos possíveis, pelo que a referência no singular se destina a mera simplificação da exposição.

[4] Mesmo sem se referir à blockchain, vale a pena atentar no que se refere na Estratégia Nacional Anticorrupção 2020-2024, aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 37/2021, de 18 de março: “Apesar da implementação do Open Contracting Data Standard ao nível da contração pública, importa intervir implementando-o integralmente na base de dados de contratos públicos e do Observatório das Compras Públicas, melhorando a qualidade da informação e estruturando-a em termos que facilitem a extração e o tratamento dos dados disponibilizados”.

[5] Cf., entre outros, Chan Yang, “Is there a role for blockchain for enhancing public procurement integrity?”, disponível em https://www.oecd.org/corruption/integrity-forum/academic-papers/Chan-Yang-blockchain-public-procurement-integrity.pdf, J. J. Deshpande, M. Gowda, M. Dixit, M. S. Khubbar, B. S. Jayasri e S. Lokesh, “Permissioned blockchain based public procurement system”, in Journal of Physics: Conference Series 1706, 2020, páginas 1 a 9, bem como G. Ogunlela Oyebanjo, H. Ojugbele Olabode e K. Tengeh Robertson, “Blockchain technology as a panacea for procurement corruption in digital era”,  inInternational Journal of Research in Business and Social Science, Volume 10, n.º 4, Junho de 2021, páginas 311 a 320, e Temofe Isaac Akaba, Alex Norta, Chibuzor Udokwu e Dirk Draheim, “A framework for the adoption of blockchain-based e-procurement systems in the public sector – A case study of Nigeria”, disponível em https://www.researchgate.net/publication/338552921_A_Framework_for_the_Adoption_of_Blockchain-Based_e-Procurement_Systems_in_the_Public_Sector_A_Case_Study_of_Nigeria/link/5e77682092851cf2719e10f5/download.

Veja-se também a entrada “Blockchain Technology in Public Procurement: Pros and Cons”, de 15 de Agosto de 2019, no blogue https://www.quintagroup.com/blog, bem como o Relatório do World Economic Forum intitulado “Exploring Blockchain Technology for Government Transparency: Blockchain-Based Public Procurement to Reduce Corruption”, de 2020, disponível em https://www3.weforum.org/docs/WEF_Blockchain_Government_Transparency_Report.pdf.

[6] Claramente neste sentido, cf. Albert Sanchez-Graells, “Data-driven and digital procurement governance: Revisiting two well-known elephant tales”, disponível em https://research-information.bris.ac.uk/ws/portalfiles/portal/209011476/Data_driven_procurement_governance_draft_Aug_2019_.pdf.

[7] Neste sentido, cf. Pedro Telles, “Blockchain em contratação pública”, in AA.VV., Concorrência e Sustentabilidade: Dois Desafios para a Contratação Pública – Actas das II Jornadas de Direito dos Contratos Públicos (30 de Setembro a 2 de Outubro de 2020, FDUL) (coord. Miguel Assis Raimundo), AAFDL, Lisboa, 2021, páginas 239 a 244.

[8] Cf., designadamente, Pedro Telles, “Blockchain em contratação pública”, cit., páginas 231 e 232, bem como Raquel Carvalho, “Blockchain and public procurement”, maxime páginas 7 e seguintes (disponível em https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/33201/1/BlockchainandPublicProcurement_Archive_4_.pdf).

Marco Caldeira

Marco Caldeira

Managing Associate | Vieira de Almeida
The opinions expressed within the article are solely the author’s and do not reflect in any way the opinions and beliefs of WhatNext.Law or of its affiliates. See our Terms of Use for more information.

Leave a Comment

We'd love to hear from you

We’re open to new ideas and suggestions. If you have an idea that you’d like to share with us, use the button bellow.