Um futuro entrelaçado – a estratégia europeia para a circularidade dos têxteis  

A Comissão Europeia aprovou uma estratégia que pretende fazer da Economia Circular o novo paradigma dos modelos de negócio da indústria têxtil e do vestuário.

Este artigo foi escrito em co-autoria por Francisco Granja de Almeida (Associado VdA) e Mariana Vicente (Estagiária VdA)

A circularidade como alternativa sustentável

Segundo a Comissão Europeia, todos os anos cerca de 5,8 milhões de toneladas de têxteis são descartadas na União – o que equivale a aproximadamente 11 quilos por pessoa. Nas cidades do futuro, a descartabilidade de roupa, artigos de uso doméstico, mobiliário e equipamento médico e de proteção, por exemplo, será gradualmente substituída por um modelo de negócio assente na reutilização, reparação e reciclagem – aumentando, assim, o ciclo de vida dos produtos. Na prática, a economia circular implica a redução do desperdício ao mínimo e, numa indústria que abrange 160 mil empresas e emprega 1,5 milhões de pessoas (com um volume de negócios de 162 mil milhões de euros só em 2019 na União) a sustentabilidade desempenhará um papel decisivo no setor têxtil e do vestuário.

Neste contexto, a Comissão Europeia (doravante, “Comissão”) propôs, a 30 de março de 2022, uma estratégia europeia para Têxteis Sustentáveis e Circulares, cujo objetivo passa por instalar um novo padrão em prol da sustentabilidade no setor – centrado em modelos de negócio circulares e cadeias de valor responsáveis.  

A visão da Comissão

A atual conjuntura económica (que recupera da paralisação espoletada pela pandemia de COVID-19 e que, agora, lida com os impactos da invasão russa da Ucrânia) força as indústrias da União a revisitarem os seus modelos económicos, a gestão de cadeias de valor e a utilização de energia. Adicionalmente, de um ponto de vista regulatório, os Estados‑Membros pressionam para a homogeneização das diferentes legislações relativas às obrigações empresariais de gestão sustentável das cadeias de valor, vigilância e reporte de informação sobre sustentabilidade. Assim, e à luz do ambicioso European Green Deal e da “avalancha regulatória” de legislação europeia relacionada com a sustentabilidade e os critérios ESG, a visão da Comissão segue alinhada para o setor dos têxteis e do vestuário – pretendendo que, até 2030, os produtos têxteis colocados à disposição na União Europeia tenham ciclos de vida mais longos, sejam recicláveis, feitos de fibras recicladas, livres de substâncias nocivas e produzidos em respeito pelos Direitos Humanos e pela qualidade do ambiente. Neste novo paradigma, alicerçado na exploração sustentável dos recursos do Planeta, no combate às alterações climáticas e no respeito pelos Direitos Humanos (e, segundo a Comissão, na resiliência e competitividade das empresas europeias) os consumidores finais irão beneficiar de têxteis de alta qualidade a preços acessíveis e os produtores gerirão diligentemente as suas cadeias de valor (diminuindo riscos legais, reputacionais e financeiros) potenciando-se, assim, o desenvolvimento económico sustentável e a substituição efetiva da fast fashion (e dos seus impactos).

Como pode esta visão ser atingida?

i. Requisitos de Ecodesign

O aumento do tempo de vida dos produtos têxteis é apontado como a forma mais eficiente de reduzir significativamente o seu impacto negativo no ambiente. Nesta fase, os designers de produto têm um papel chave, que é reconhecido pela Comissão. Por isso mesmo, a primeira medida é a criação de requisitos de ecodesign, a serem materializados numa Ecolabel – conceito que já está a ser implementado para aumentar a performance de produtos têxteis em termos de durabilidade, reutilização, reparação e reciclagem das fibras – de forma a minimizar a presença de substâncias com implicações preocupantes, prejudiciais à saúde e ao ambiente (reduzindo, assim, os seus impactos adversos). Neste âmbito, cumpre notar também a poluição por microplásticos e a preocupação de que a produção de produtos têxteis tenha em conta a libertação não intencional destes microplásticos durante o ciclo de vida do produto.

ii. Medidas relativas ao tratamento de produtos não utilizados, produtos não vendidos e produtos devolvidos

A segunda medida principal consiste na criação de desincentivos para a destruição de têxteis não utilizados, não vendidos ou que hajam sido devolvidos – uma prática comum no setor têxtil. A Comissão propõe ainda uma obrigação de transparência que requer que grandes empresas reportem o número de produtos têxteis que destroem e descartam, bem como o seu método para a reutilização, reciclagem, incineração ou deposição em aterro.

iii. Passaporte Digital do Produto

Outra medida é o Passaporte Digital do Produto, que pretende materializar o direito à informação do consumidor e do mercado em que o produto circula. O Passaporte Digital do Produto garante o acesso a informação sobre as características de sustentabilidade ambiental de um produto, a sua circularidade e cadeia de valor, capacitando negócios e consumidores a fazerem escolhas mais informadas, melhorando a comunicação e transparência e potenciando a credibilidade e visibilidade de produtos e empresas sustentáveis.

Importa dar nota de que esta ideia do “passaporte do produto” não é nova e já é levada a cabo noutras áreas, nomeadamente, o Passaporte Fitossanitário que entrou em vigor em 2019 e que determina que certo tipo de plantas têm de conter algures na sua embalagem determinados elementos de identificação que permitam um melhor controlo da origem, rota, uso de pesticidas e eventuais doenças que possam transportar.

iv. Combate ao Greenwashing

Reservar as alegações ecológicas para os têxteis verdadeiramente sustentáveis é uma prioridade assinalada pela Comissão. O greenwashing é uma realidade e ameaça as licenças sociais para operar das empresas que fizerem alegações ecológicas não consubstanciadas, bem como compromete a credibilidade das empresas verdadeiramente responsáveis.Ademais, os consumidores dispostos a comprar produtos mais sustentáveis podem sentir-se desencorajados a fazê-lo pela incerteza que rodeia as afirmações das marcas em relação à sustentabilidade – principalmente, ambiental – dos seus produtos. Neste contexto, as ecolabels da União Europeia e outros tipos de certificados que obriguem a análises regulares poderão mitigar riscos e dar garantias aos consumidores.

Cumpre notar, de um ponto de vista regulatório, que o comumente denominado “Regulamento Taxonomia”(já em vigor) tem como objetivo disponibilizar às empresas e aos investidores uma linguagem comum que permita identificar as atividades económicas que poderão ser consideradas sustentáveis, através da implementação de seis objetivos ambientais e da garantia de alinhamento com as “Salvaguardas Mínimas” – que correspondem, em grande parte, ao respeito pelos Direitos Humanos. Coloquialmente apelidado como um “dicionário da sustentabilidade”, o Regulamento Taxonomia (em conjunto com os restantes instrumentos legislativos nesta matéria) aumenta a credibilidade das alegações ecológicas e permite um diálogo alicerçado em conceitos determinados – o que, inevitavelmente, potencia a confiança, o investimento e a alteração de padrões de consumo.  

Quais são os catalisadores desta mudança?

As medidas propostas pela Comissão para o setor têxtil e do vestuário estão alinhadas com o atual movimento europeu de promoção da sustentabilidade – ambiental, social e de boa governança – das atividades empresariais. Este movimento é, simultaneamente, legal e económico, na medida em que chega às empresas por via de novas obrigações de reporte de informação, deveres de cuidado dos administradores e de gestão de cadeias de valor, incluindo requisitos para alegações de sustentabilidade, mas também pela pressão dos consumidores, dos novos requisitos para acesso a financiamento e pela competitividade e resiliência dos negócios sustentáveis.

Por isso, não basta impor novas medidas e há que tecer uma rede de condições favoráveis que propiciem a criação da pretendida “indústria têxtil do futuro”.  Neste sentido, a Comissão refere a criação de Vias de Transição (ou trajetórias de transição), como ferramentas colaborativas para a transformação do ecossistema industrial. Estas Vias de Transição serão criadas em colaboração com stakeholders da indústria e deverão resultar numa visão comum para o ecossistema e em compromissos específicos. Ademais, é expressamente mencionado o papel da inovação e do apoio à investigação e ao investimento, através de estratégias de R&D (Research and Development) e da capacitação para a transição verde e digital. A par com o respeito pelas regras de concorrência e de mercado, estes são os pilares nos quais assenta o sucesso desta transição.

O papel da gestão diligente de cadeias de valor

A Europa está, atualmente, salpicada por Estados onde existem obrigações legais de levar a cabo um processo (mais ou menos profundo ou dinâmico) de diligência devida no que toca ao respeito pelos Direitos Humanos – não só nas atividades próprias da empresa, mas também ao longo da sua cadeia de valor – a montante (fornecedores e prestadores de serviço) e a jusante (clientes e parcerias de negócio). Na trindade Reino Unido, França e Alemanha algumas empresas já têm obrigações legais de diligência ou reporte.

Assim, a inevitabilidade da cristalização das diretrizes de “soft-law” das Nações Unidas e da OCDE num novo paradigma de due diligence  é cada vez mais clara sendo quase certo que o setor têxtil e do vestuário será expressamente visado. Prova disso é a atual redação da Proposta de Diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho relativa ao Dever de Diligência das Empresas em matéria de Sustentabilidade (doravante, “Proposta de Diretiva”) que, no ponto i) da alínea (b) do número 1 do seu Artigo 2.º identifica explicitamente o setor do “fabrico de têxteis, couro e produtos afins (incluindo calçado) e comércio por grosso de têxteis, vestuário e calçado” como de “grande impacto”. Significa isto que, no que diz respeito às empresas deste setor que tenham mais de 250 trabalhadores, em média, e mais de 40 milhões de euros de volume de negócios líquido a nível mundial no exercício anterior ao último exercício financeiro, o dever de diligência aplicar-se-á, caso a Proposta de Diretiva seja aprovada nestes termos.

Em suma, esta Proposta de Diretiva cria a obrigação de determinadas empresas exercerem o seu dever de respeito pelos Direitos Humanos (e o ambiente) levando a cabo um processo dinâmico e contínuo para identificar, prevenir, atenuar, fazer cessar e assumir impactos negativos, reais e potenciais, nos Direitos Humanos e no ambiente, que sejam causados pelas suas próprias operações e respetivas cadeias de valor.

Na prática, este processo contínuo e dinâmico de due diligence deverá ser implementado através da integração do dever de diligência em todas as políticas empresariais e da aplicação de uma política em matéria de dever de diligência que deverá ser atualizada anualmente. Desta forma, em vez de uma análise a riscos de violação dos Direitos Humanos pontual (ou linear), deverá ser levado a cabo um processo de estrutura circular – contínuo e dinâmico.

Conclusão O caminho para uma maior sustentabilidade, transparência e responsabilidade dos diferentes agentes da indústria têxtil requererá um esforço concertado e proporcional, alicerçado na realidade económica das empresas e nos compromissos com a sustentabilidade dos recursos do planeta e das suas comunidades.  Dados os desafios do contexto atual, uma análise crítica à forma como são geridos os ciclos de vida dos produtos e as cadeias globais de fornecimento pode não só alavancar um setor têxtil competitivo, resiliente e inovador, mas também contribuir de forma manifestamente relevante para o desenvolvimento sustentável.

The opinions expressed within the article are solely the author’s and do not reflect in any way the opinions and beliefs of WhatNext.Law or of its affiliates. See our Terms of Use for more information.

Leave a Comment

We'd love to hear from you

We’re open to new ideas and suggestions. If you have an idea that you’d like to share with us, use the button bellow.